Liberdade, liberdade! - Jornal Fato
Artigos

Liberdade, liberdade!

Algumas pessoas têm se aliado ao discurso amedrontado de alguns ministros do STF


Algumas pessoas têm se aliado ao discurso amedrontado de alguns ministros do STF e defendido que a liberdade de expressão não é absoluta. Existem, no mínimo, dois equívocos nesta argumentação. O primeiro é achar que os tais ministros estão realmente preocupados com uma discussão séria sobre o assunto e não apenas agindo em interesse próprio. O segundo, mais importante, é justificar alguma limitação "a priori" no conceito de liberdade, o que implica a existência de um órgão ou grupo de pessoas encarregadas de estabelecer este limite. A liberdade de expressão é absoluta sim. Toda vez que se fala em liberdade deve ser feito de forma absoluta, senão não é liberdade. Quando se trata de valores abstratos de grandeza humana, como justiça, ética, verdade ou liberdade, não pode existir um "mas" que justifique alguma limitação. 

Quem se incomodar com a "liberdade de expressão", quem achar que ela ultrapassou fronteiras que deveriam ser preservadas, que recorra à justiça e demande o que acha ser seu direito. Cada caso é um caso e deve ser julgado de forma individual. A legislação brasileira é muito competente no estabelecimento de reparações em situações onde a liberdade tenha prejudicado ou ofendido alguém. 

Percebem a diferença entre uma reparação e uma limitação?

A primeira preserva a liberdade mas protege quem se sentir ofendido. A segunda ofende qualquer um que pense com razoável profundidade sobre o assunto.

Em suma, eu e qualquer pessoa temos a liberdade de fazer absolutamente qualquer coisa com nosso pensamento e sua expressão pública ou privada, mas devemos estar preparados para qualquer punição em caso de excesso. Eu posso dizer o que quero, posso ser racista, machista, misógino ou o que eu escolher ser. Mas posso ser punido por isso. Então, a forma e o conteúdo de minhas opiniões será mediada, em minhas escolhas, pela punição que posso vir a receber. Isso é aceitável. É nossa versão social do "livre arbítrio".

Impedir que eu ou alguém  possa emitir opiniões é uma das formas mais abjetas de ditadura que se pode imaginar.

Milhões de pessoas morreram e lutaram pela liberdade ao longo de nossa história. Milhões de pessoas arriscaram suas vidas fugindo em direção à liberdade. Ninguém "foge" para o obscurantismo, a não ser aqueles que se beneficiam dele.

Liberdade, o mais delicioso perfume que o ser humano pode apreciar.

Que eu não me esqueça jamais disso!

 


Leandro Vieira

Comments

SEE ALSO ...