Entre acertos e desacertos - Jornal Fato
Artigos

Entre acertos e desacertos

Os últimos dias têm sido intensos para quem acompanha a política capixaba...


Os últimos dias têm sido intensos para quem acompanha a política capixaba. Particularmente em Cachoeiro, são dias decisivos para um futuro que se molda com as decisões tomadas agora, por envolver personagens desde já relacionados às eleições de 2020.

Cachoeiro perdeu, nesta semana, alternativa para o debate sobre o desenvolvimento do município. O deputado estadual Rodrigo Coelho (PDT), um dos mais proeminentes nomes da nova geração - embora esteja no segundo mandato, tem apenas 42 anos - se aposentou das disputas eleitorais.

Não deve ter sido sem pesar que decidiu aceitar a articulação que o colocou na segurança de carreira praticamente vitalícia como conselheiro do Tribunal de Contas do Estado, impedido, portanto, de novamente enfrentar as urnas.

Rodrigo tem plano de governo para Cachoeiro, que não será implementado, pelo menos não por ele. É perda para o município, que passa neste exato instante por processo de renovação política, em busca de novas lideranças, tendo, após anos de revezamento entre nomes tradicionais, um novato no comando.

Assim como Rodrigo, a vereadora Renata Fiório (PSD) também precisou amadurecer decisão difícil, mas acertada para quem se propõe a ver e fazer a política de maneira nova.

Retirou sua candidatura a deputada federal, entre outras coisas, por entender que tem mandato a cumprir em Cachoeiro e muito a aprender na seara política.

A primeira lição, a da humildade, parece ter sido bem assimilada.

Com a entrada, manutenção e saída de nomes já projetados para 2020 - as urnas hão de fortalecer ou inviabilizar outros - aos poucos a história política do novo momento cachoeirense é escrita.

 

DESTAQUE. Não sem razão o nome do talentoso fotógrafo Wallace Hull se tornou sinônimo de imagens de qualidade (Foto extraída do Facebook)

 

Sobe

Mário Louzada

O ex-secretário Mário Louzada saiu fortalecido de uma candidatura a deputado federal de prognóstico duvidoso para a condição indubitável de coordenador da campanha do candidato Renato Casagrande (PSB) na região. foi decisão tomada com espírito partidário, mas que pode lhe render frutos como integrar o novo governo em caso de vitória.

 

Desce

Pagando a conta

A concessionária EDP, que atende a aproximadamente 1,5 milhão de unidades consumidoras localizadas no Espírito Santo foi autorizada pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) a aumentar a tarifa residencial de energia em mais 15,84%. O reajuste já vigora desde terça-feira. Em outras palavras, o capixaba pode preparar o bolso. Ou apagar as luzes.

 

Mas, hein?!

O ex-governador Renato Casagrande vai ter que mostrar habilidades para gerir situações complicadas desde o período de campanha. Administrar os interesses de 18partidos é missão das mais complicadas.

 

Vias de FATO

Probabilidade de que as eleições no Espírito Santo sejam decididas no segundo turno já é levada a sério, com três candidaturas mais competitivas. 

Uma das incógnitas que a próxima pesquisa eleitoral deve esclarecer é como o efeito Bolsonaro vai impactar a candidatura de Carlos Manato (PSL). 

Em Itapemirim, tem vereador se dizendo ameaçado de morte, em história mal compreendida, pois os detalhes, ele avisa, estão sob sigilo. 

Com muitos nomes da região deixando a disputa eleitoral, podem crescer as chances dos que permanecem. Quem sabe não aumenta a representatividade sulina? 

Embora não esteja mais em lua de mel com a população de Marataízes, o prefeito tininho tem sido muito assediado por candidatos em busca do seu apoio.


Wagner Santos Diretor e editor Jornalista

Comentários

VEJA TAMBÉM...