Aforismo - Jornal Fato
Artigos

Aforismo

São frases, curtas ou longas, de grande sabedoria


São frases, curtas ou longas, de grande sabedoria. Bem verdade, não obedecida na maioria das vezes. Deveria ser aquilo que o poeta português, Fernando Pessoa, com seus vários heterônimos, anunciou: "A língua portuguesa é minha pátria." Nietzsche, em Humano, demasiado humano, considera: "Os piores leitores são os que se comportam como soldados em pilhagens: pegam algumas coisas que podem usar, sujam e misturam o restante e caluniam o todo." Dizia: no aforismo, tem-se, geralmente, a verdade. E, é minha ambição dizer em dez sentenças o que todos os outros dizem em um livro inteiro - o que todos os outros não dizem em um livro inteiro. Parece como ele, uma dinamite. Mas, ninguém quer ouvir a verdade. Preferimos o autoengano. As citações podem estar escondidas em poesias, romances, dicionários ou placas de caminhões. O escritor argentino, Jorge Luiz Borges, pensou: "Se eu pudesse viver outra vida..." Um alerta para o racionalismo, mecanicismos e consumismo. As causas das carências afetivas. A causa da depressão.  "Aí está o busílis!" Nos sermões de Vieira (Padre Antônio Vieira, 1608 - 1697, português, viveu na Bahia) aprendemos: "Morrer de muitos anos, e viver muitos anos, não é a mesma coisa. Ordinariamente os homens morrem de muitos anos, e vivem poucos. Por quê? Porque nem todos os anos que se passam, se vivem: uma coisa é contar os anos, outra vivê-los; uma coisa é viver, outra durar... Mais vivem uns em poucos anos, que outros em muitos." Padre Vieira em seus sermões certamente concordaria com os dizeres atribuídos aos romanos: "Não basta ser honesto, tem que parecer honesto." Uma boa citação para os nossos representantes em Brasília. E Nietzsche, que adorava o aforismo, escreveu nos Livros de notas: "Não existem fatos, somente interpretações." E, ainda, em Humano, demasiado humano: "Convicções são inimigas muito mais perigosas da verdade que as mentiras."

Na profissão médica, desde o início da Idade Moderna, com os filósofos Descartes e Pascal, o dualismo existe. A dúvida entre a ciência e o sentimento - dimensão afetiva. A medicina cartesiana, o corpo dividido em partes - como uma máquina, influenciou a prática médica americana e ocidental e é a que até o momento prepondera. Surge a idéia pascaliana, o filósofo acrescentava: "O coração tem suas razões que a razão não conhece." Com isso podemos lembrar o aforismo hipocrático: "Curar quando possível; aliviar quando necessário e consolar sempre." Volto aos sermões de Vieira: "Eu antes quero grandes dificuldades, que as pequenas; porque as pequenas correm por minha conta, as grandes por conta de Deus." Não sei se as citações ajudam em sua vida prática. Não sei, nem mesmo, se serve para a minha. Em nosso dia a dia não paramos para pensar. Só sei que, quando abro um livro e me encontro com a leitura, é como se um espanhol descobridor e explorador de uma cidade rica em prata da região dos Incas dissesse: A leitura... "Vale um Potosi." Acho que Nietzsche tinha razão, pois continuamos os mesmos: "A pressa é universal porque todos estão fugindo de si mesmos." P edia, em A gaia ciência : "Torne-se quem você é."

 

Sergio Damião Santana Moraes

Visite meu Blog: blogazulix.blogspot.com.br

 


Sergio Damião Médico e cronista

Comments