Cachoeiro recebe mutirão para cadastrar doadores de medula - Jornal Fato
Saúde

Cachoeiro recebe mutirão para cadastrar doadores de medula

A unidade móvel estará, a partir das 9h, na praça Jerônimo Monteiro


Unidade móvel do Hemocentro do Espírito Santo (Hemoes) estará no dia 16 de fevereiro, na Praça Jerônimo Monteiro, em Cachoeiro de Itapemirim, para realizar o cadastro de doadores de medula óssea. A ação será realizada das 9h às 15h e vai facilitar o acesso da população cachoeirense e dos municípios vizinhos, já que a unidade mais próxima do Hemocentro está em Vitória. O cadastro na lista de doadores de medula óssea é um processo simples e de extrema importância, levando em conta a enorme dificuldade de encontrar um doador compatível.


Para fazer o cadastro, o doador voluntário assina um Termo de Consentimento Livre e Esclarecido (TCLE), preenche uma ficha com informações pessoais e autoriza a coleta de sangue. A amostra de sangue é analisada e as informações incluídas no banco de dados do Hemocentro. Depois da análise, havendo compatibilidade com algum paciente que necessita do transplante em qualqual lugar do Brasil, o doador será consultado para decidir quanto a doação para a realização do transplante. O cadastro é nacional.


O evento é uma iniciativa da Vereadora Renata Fiório, por meio de indicação e sob as articulações do Deputado Federal Evair de Melo, em parceria com o Governo do Estado. De acordo com a Vereadora, "ações desse tipo contribuem diretamente para a melhoria de vida de toda a população, por meio do auxilio aos pacientes que necessitam tanto da tansfusão sanguínea, quanto do transplante de medula óssea, além disso, a sociedade cachoeirense sempre foi bastante envolvida com grandes causas nesse sentido, com o fazer o bem, e essa ação vem reafirmar essa solidariedade", destaca Renata Fiório.

O gesto de solidariedade de um doador compatível
A maior dificuldade encontrada pelos pacientes que precisam de transplante de medula óssea, é a falta de doador compatível, as chances de encontrar um é muito pequena, por isso é importante o cadastro do maior número de pessoas possível.


Cachoeiro de Itapemirim teve um caso de doador compatível, o senhor Osvaldo Casagrande, ele conta que fez o cadastro há mais de 10 anos para um amigo que precisava do transplante, e acabou ajudando uma menininha de apenas 10 aninhos.


"Fiz o cadastro para um amigo, na expectativa de ser compatível com ele, mas não achei que seria compatível com outra pessoa. Quando eu recebi a notícia da compatibilidade eu fiquei muito emocionado, se cadastrar para ser doador é um gesto de caridade incomparável, pois a chance de encontrar um doador é de 1 a cada 100 mil pessoas, então, quanto maior o número de cadastrados melhor, dessa forma acredito que resolveríamos um problema existente na nossa sociedade," afirma.


Ainda de acordo com Osvaldo Casagrande, tanto o procedimento de cadastro quanto o de transplante, são indolores, e além disso pode fazer diferença na vida de quem espera por um doador. Segundo ele, "mesmo no transplante, o doador não corre nenhum risco, e o sentimento que teve, era de que estava devolvendo a vida a uma pessoa. Eu não só me senti bem, eu estou muito bem até hoje, meu sentimento de paz no coração é muito grande", finaliza.

Comments

SEE ALSO ...