Sandi desiste de candidatura a deputado estadual - Jornal Fato
Política

Sandi desiste de candidatura a deputado estadual

Vereador cachoeirense reconhece que não conseguiu, apesar do trabalho, o retorno para sua comunidade e que coligação ficou pesada demais


Sandi entendem que, na Câmara, poderá atuar para dar o retorno que ainda não conseguiu à comunidade - Divulgação

O vereador Rodrigo Sandi (Podemos) decidiu retirar sua candidatura a deputado estadual. Pesaram para isso a escassez de recursos, o momento vivido pela gestão pública em Cachoeiro, além da coligação desfavorável fechada pelo partido, o mesmo da senadora Rose de Freitas, que disputa o governo.

Com sinceridade, Sandi explica que o desempenho, até aqui, na Câmara, não o credencia à disputa com chances reais de vitória. Apesar de vereador ativo, seu perfil pende para o Executivo e, com essa verve, apresentou projetos que para terem efetividade, precisam da participação mais efetiva da Prefeitura, o que não tem acontecido.

É dele, por exemplo, a ideia do Ponto de Flores, que transforma lixões em jardins. A transmutação é feita em mutirão, mas necessita de apoio do Executivo, com mudas, homens e máquinas para ser efetivada.

Alguns pontos foram atendidos, mas, desde abril, quando Mário Louzada, entusiasta do projeto, deixou a Secretaria Municipal de Meio Ambiente, as ações minguaram. Coincidentemente, por outros motivos, Mário, que seria candidato a deputado federal, também saiu da disputa. Vai coordenar a campanha de Renato Casagrande (PSB) na região.

Mais do que projetos como o Ponto de Flores, é o descompasso entre as demandas e a contrapartida da Prefeitura para o bairro mais populoso de Cachoeiro, o Zumbi, que inviabiliza, na visão do vereador, a sua candidatura.

Oriundo da comunidade, esperava a esta altura já ter resolvido problemas como a do posto de saúde, para o qual pediu e conseguiu emendas superiores a R$ 1 milhão, mas que não foram, ainda, utilizadas na construção da Unidade.

"Esperava bombar no bairro. Sair de lá com de oito a nove mil votos e buscar outros quatro mil fora. Infelizmente, do jeito que as coisas estão, isso não seria possível, pois não tenho como mostrar os resultados que o meu mandato sempre buscou", revela.

 As dificuldades com a Prefeitura, que ele explica não atingirem apenas as suas pretensões - dos sete possíveis candidatos que sairiam da Câmara, só três se efetivaram, em função, acredita, "do mau momento da gestão" - não foram as únicas causas de sua desistência.

A coligação do Podemos com Rede, Patriota, PRTB e PMN traz, consigo, três deputados investidos de mandato, o que acabaria por sepultar suas chances de eleição, ainda mais num cenário no qual, calcula, não conseguiria mais de seis mil votos, sem a força que esperava ter no Zumbi para o pleito.

O vereador e seu grupo entendem que, na Câmara, poderá atuar para dar o retorno que ainda não conseguiu à comunidade e fazer valer propostas que fez para o município, como a que insere atendimento de optometria, sobretudo, na rede municipal de Educação. 

Comentários

VEJA TAMBÉM...