O Juiz "Bola Nossa" - Jornal Fato
Fato Inovador

O Juiz "Bola Nossa"

A grande mídia construiu a imagem de "paladino da justiça" que o ex-Juiz Sérgio Moro


Um dos objetivos que assumi na Coluna Fato Inovador foi ajudar os leitores a promoverem suas mudanças de mindset (mentalidade).

Diante dessa meta, não posso ignorar acontecimentos recentes, que estão escandalizando o país a partir dos vazamentos de conversas impróprias entre um Juiz e um Promotor, vindos do aplicativo Telegram.

A grande mídia construiu a imagem de "paladino da justiça" que o ex-Juiz Sérgio Moro ostentou ao julgar os processos da Operação Lava Jato, até que a tecnologia revelou que a "cruzada" do "cavaleiro errante" nada tinha de justa, afinal de contas.

Mal comparando, como botafoguense juramentado e praticante sei a praga que é ser prejudicado por um árbitro comprado... No popular: por um "Juiz ladrão".

Nos anais da história do Glorioso Botafogo de Futebol e Regatas há um episódio que ilustra muito bem o que o site www.TheIntercept.com/Brasil, a Folha de São Paulo, o Jornalista Reinaldo Azevedo e a revista Veja têm trazido à tona nas últimas semanas:

Consta na Carta Capital e no GGN que Alcebíades Magalhães Dias, o Cidinho, um "Juiz de Futebol", fanático pelo Clube Atlético Mineiro, sempre buscava favorecer o "Galo", apitasse ou não os jogos da agremiação. Eu explico: certa vez Cidinho apitou um jogo entre os antigos times Sete de Setembro e Asas, cujo vencedor pegaria três dias depois o Atlético, na final, e deu um acréscimo de 100 minutos, o mais longo da história do futebol, cansando os jogadores para a partida que travariam contra o seu time do coração.

Cidinho era aplaudido pelos atleticanos por expulsar adversários e marcar lances inexistentes para o Galo, mas, muitas vezes, saía de campo escoltado pela polícia. Em Barão de Cocais teve que fugir da cidade disfarçado de cigana para não ser linchado pelos torcedores do Metalusina.

E o Botafogo?

Em 1949 o Botafogo pegou o Atlético Mineiro no Mineirão e, numa discussão entre Afonso, Beque do Atlético, e Santo Cristo, do Botafogo, sobre de quem seria uma lateral, Cidinho, o Juiz da partida, prontamente gritou:

"- Bola nossa! É nossa, Afonso! É bola nossa!

A partir desse dia, Cidinho virou um Juiz "Bola Nossa".

Morreu apaixonado porque o Atlético nunca construiu uma estátua sua na sede do clube.

Sérgio Moro já tem um boneco inflável de "super-homem"... É quase uma estátua, né?

 

Joaquim Neiva é Jornalista e Gestor de Marketing Digital e

Mídias Sociais na Empresa Fazejamento Digital. (WhatsApp: 28 98814-6228)

 

 

 


Lista de emails: o que é e por que montar a sua ajuda a vender mais

Na maioria das vezes, as pessoas que acessarem o seu site de primeira não irão comprar. Assim como nos negócios físicos é preciso criar um relacionamento com o cliente e a condução da venda poderá acontecer aos poucos, através de vários acessos, quando o usuário criará uma afinidade maior com a empresa. É aí que entra o e-mail marketing.

Criar uma lista de e-mails através do seu site é uma forma de construir um relacionamento ativo com público-alvo, convidando-o sempre a acessar novamente o seu site e conhecer as novidades, seja em produtos, seja em conteúdo.

O e-mail é um dos principais canais de comunicação online no mundo dos negócios e, através desse recurso, sua empresa poderá informar os interessados sobre vantagens, promoções, novidades e, é claro, conteúdos que sejam interessantes.

Devido aos grandes incômodos causados pela prática do spam, o e-mail marketing é uma zona um pouco polêmica para várias pessoas, porém, se a empresa souber usar essa ferramenta de forma responsável e estratégica, conseguirá não somente realizar negócios, mas também fidelizar clientes.

Por isso, alguns cuidados são importantes: Não enviar quantidade exagerada de e-mails para não estressar a lista e não enviar e-mails a endereços não autorizados. A melhor forma de construir listas de e-mail é através de cadastros onde o usuário faz uma confirmação autorizando enviar o e-mail.

Quanto ao formato do e-mail, tente criar mensagens mais leves, que possam ser facilmente carregadas nas caixas de e-mail, além de não enviar mensagens com muitas ofertas e pouco conteúdo. Lembre-se que o objetivo dos e-mails é fortalecer o relacionamento e não gerar vendas diretamente. As vendas acontecem no site.

 

Cleiton Martins é especialista de vendas online

Comments

SEE ALSO ...