Não imite os outros. Crie! - Jornal Fato
Colunistas

Não imite os outros. Crie!

Como estamos vivendo a era digital, as fórmulas que eram utilizadas antigamente já não funcionam mais.


 

Como estamos vivendo a era digital, as fórmulas que eram utilizadas antigamente já não funcionam mais. Isso pode e deve ser aplicado em todas as áreas da empresa, inclusive o marketing, que se viu obrigado a se reinventar. Além do surgimento de novas plataformas, agora existe a possibilidade de se criar novas formas de fazer com que o cliente esteja mais próximo da marca que gosta. Para isso, é preciso que se entenda que houve uma grande mudança de comportamento. A tecnologia está incorporada à vida das pessoas, nas vivências dos usuários, e isso fez com que uma mudança de comportamento de consumo acontecesse.

E não foi só a tecnologia que sofreu com as mudanças. A geração Y veio para acabar com os padrões. "O jovem de hoje em dia, começa a ver que o carro traz dificuldades para a vida dele. O jovem não quer pensar nessas coisas, ele prefere utilizar ônibus, táxi, bicicletas, qualquer outro meio. Existem pessoas que estão vendendo os seus veículos para que possam ir trabalhar de bicicleta. Um adulto de hoje, jamais iria imaginar, com a idade dos jovens, em vender o seu carro. Pra ele, o carro era tudo!", disse a diretora de brand, marketing e comunidade da EY, Marly Parra.

Confira a entrevista que ela concedeu à Revista Época.

Como a transformação digital está contribuindo para a construção da marca? São novos incrementos ou o marketing mudou em partes?

Como estamos passando por uma era de transformação muito grande, não é apenas a tecnologia, mas de como isso também interfere na mudança de cultura e da forma de como fazer negócio. Quando é falado de marketing, está se falando de um produto, uma embalagem, sobre a forma de gerenciar uma unidade de negócio até que se chegue na marca e na comunicação. Com isso, o marketing terá que pensar em como um defeito poderá impactar no seu produto.

Como?

Não apenas os produtos mudaram, mas também o comportamento do cliente. E não é só sobre os veículos que estão transitando sem motorista, mas o que impactou essa mudança. Tem a questão do cuidado personalizado. O consumidor mudará o seu comportando podendo optar em receber de surpresa produtos fazendo o pagamento mensal. Antes, as empresas faziam investimentos em mercado de pesquisa de produto ou na construção da marca. Quem fazia um investimento numa determinada marca tinha um foco em saber como poderia melhorar o que já existia. Outras empresas já focavam os seus investimentos nas marcas e na própria corporação e estabeleciam um benchmark, como a Coca-Cola e o Google. Só que isso já não funciona mais.

E qual o caminho as empresas devem seguir agora?

Ninguém havia pensado antes no Uber e no Airbnb. Se você for imitar o que outras empresas estão fazendo, você não conseguirá nada. O que você tem que ter em mente é que a sua empresa e os seus negócios não podem ficar de lado. É preciso que haja uma equipe que fique acompanhando o seu negócio, desenvolvendo novos produtos, melhorando-os, vendendo e também, que haja uma equipe para ter a visão de fora do processo. Todas as empresas precisam ter um departamento que inove. Tanto para os novos produtos e serviços, quanto para o comportamento dos clientes.

A forma de comunicação com o cliente também está diferente? As regras antes válidas para o marketing hoje já não têm mais esse poder?

Se uma empresa olhar para o mercado e visualizar nele apenas um consumidor, como era feito antigamente, ela não prosperará. Ainda que uma parte da população esteja aumentando a sua participação, inovando e trazendo novas ideias, na outra ponta existe uma sociedade que está envelhecendo. Você precisa saber bem quem é o seu público alvo e falar diretamente com ele, mas não poderá utilizar a mesma comunicação para todos eles.

Como melhorar a comunicação com o público jovem?

Uma das mídias que mais crescem no mundo é a digital, mas é preciso entender onde se encontra o público jovem nela. Hoje, duas formas rápidas e fáceis de encontrar respostas são o Google, Instagram e Facebook. O problema é que existe um momento de transformação e isso tem que ser aprendido diariamente a ser feito. São muitas as plataformas digitais.

É preciso também tomar cuidado com o vazamento dos dados dos clientes, assim como aconteceu com o Facebook, e é isso que a Nova Lei da Europa está tentando impedir.

Mas, mesmo com todos esses prós e contras, ainda é perfeitamente possível afirmar que a internet te oferece uma forma excepcional de serviço.

                                                                 

 Site: ttp://cleitonmartins.com.br

 


Cleiton Martins Especialista em criar Sistemas de Vendas na Internet para ajudar empresas a venderem TODOS os DIAS!

Comentários

VEJA TAMBÉM...