O voto no Senado e a derrota de Renan - Jornal Fato
Artigos

O voto no Senado e a derrota de Renan

O PMDB que virou MDB na esperança de tapear o eleitor, imaginou que conseguiria emplacar seu presidente consolidando sua hegemonia, do alto dos seus 13 senadores na casa


Ao que parece, nesse primeiro momento, a taxa de renovação das novas vagas do senado de 85% - das 54 vagas disputadas na última eleição 46 foram ocupadas este ano por novos nomes - veio para atender as demandas por renovação solicitadas pelas ruas e confirmadas pelas urnas.

No primeiro ato após a posse dos novatos e na abertura dos trabalhos do ano legislativo no senado, a eleição da presidência da casa ganhou contornos de "prova de fogo" para consolidar ou não a força da nova política frente a velha política.

Derrotada em todos os "fronts" possíveis - com ressalva ao retorno de Rodrigo Maia na câmara federal que tecnicamente pode ser considerado novidade na era pós Eduardo Campos - os caciques da política estão aprendendo a duras penas e debaixo de muita surra moral e de procedimentos que não haverá mais espaço a partir desta temporada para conduzirem os rumos do país no status quo legislativo anterior.

O PMDB que virou MDB na esperança de tapear o eleitor, imaginou que conseguiria emplacar seu presidente consolidando sua hegemonia, do alto dos seus 13 senadores na casa. Mas assistiu seu legado ruir diante de um obstinado quórum interessado em se aliar com as vozes do seu eleitorado.

Do ponto de vista prático, a eleição de Davi Alcolumbre abre um período de muita ebulição e embates na casa. Os perdedores não darão paz e não estão muito afim de se aliarem a nenhum propósito de pacificação.

Do ponto de vista ideológico e estruturante, a condução das pautas estará mais alinhada ao que quer o novo Brasil.

Mas o que quero destacar hoje é o porquê o voto aberto se tornou peça chave na derrota de Renan.

A votação secreta está no regimento interno da casa para este tipo de situação. A justificativa é que revelado o voto dado pelo senador poderá ocorrer pressões internas e externas sobre o mandato do congressita votante. O voto aberto, segundo a tese de quem defende o voto secreto, deixa exposto o senador na forma como encaminhará seu mandato, uma vez que "em quem votou" sempre estará atrelado na avaliação que o coletivo do senado senpre fará do ente parlamentar quanto indivíduo.

Por outro lado, mais do que em outros períodos recentes de nossa história democrática, o povo decidiu se "meter na politica". E adquiriu meios para cobrar, aferir, fiscalizar, pressionar e participar do mandato de seu representante. Através das redes sociais o povo pode derrubar ou levantar qualquer político.

Em outras palavras: o político de hoje em dia tem mais medo do povo do que dos caciques políticos de outrora.

A reivindicação da maioria dos senadores pelo voto aberto era muito mais interesse em deixar as contas acertadas com seu eleitorado do que vontade de exibir sua simpatia por esse ou aquele ente político candidato a presidência.

Caso houvesse uma votação secreta e através dela a possibilidade de recondução de Renan Calheiros ao posto máximo do Senado o barulho seria grande. O estrago seria catastrófico. A opinião pública não daria um minuto de paz ao "sono dos justos" desse monte de debutantes ex-militares, ex-jogadores de vôlei, ex-juizes, ex-jornalistas que agora acupam a cadeira parlamentar.

Não pensemos nós todos que a cruzada de Renan Calheiros rumo ao topo fora apenas vaidade ou capricho.

O objetivo maior a ser alcançado era a de manutenção de todo um modelo de fazer política vigente até então. De favores e barganhas por cargos e posições. De defesa de interesses escusos que persistem em querer ganhar espaço num tempo que não quer compromisso com jogos de poder a moda antiga.

Os meses que se seguem serão a resposta sobre o surgimento de uma atividade parlamentar mais comprometida com os anseios populares ou se tudo não passou de confete para "inglês ver."

O tempo dirá.

Bruno Ramos


Bruno Ramos Empreendendor Analista de Relações Internacionais graduado pela Universidade Vila Velha - UVV

Comments

SEE ALSO ...