Ingratidão - Jornal Fato
Artigos

Ingratidão


- Foto: Marcos Kito

No verão, a população de Cachoeiro, sempre que possível, busca se refugiar no frescor do litoral.

Marataízes, seja pela proximidade, seja pelos ventos que ali habitam ou seja pelos amigos que lá se refugiam, é uma das praias mais frequentadas pelos cachoeirenses nesse período. Além do mais, muitos cidadãos de Cachoeiro, nessa praia, possuem casas e construíram, alguns desde a infância, uma história de vida paralela à vida na cidade natal.

No último sábado, dia 12 de janeiro de 2019, após uma noite de céu estrelado, o dia amanheceu belo, ensolarado e a água do mar revelava-se serena e azul, trazendo a certeza de que o dia seria perfeito. 

Durante o dia, a praia estava cheia de jovens, amigos e familiares. Todos com os pés na areia, protegendo-se do excesso do sol com sombrinha, "chapéu", óculos e protetor solar. No local, pais brincavam com os filhos e, quando cansados, ficavam sentados com os olhos vidrados nas suas proles.

Esse ano percebi uma maior prática esportiva entre as pessoas comuns (não surfistas): crianças "pegando jacaré", adultos se desafiando a adentrar um pouco mais no mar para a prática de stand up. Sem falar nas pessoas, de todas as idades, que aproveitaram para caminhar.

Os jovens, por certo, buscavam estar perto dos seus semelhantes; daqueles que comungavam dos mesmos sonhos e que falavam a mesma linguagem, algumas dessas linguagens necessitadas de freios por parte dos pais, mas outras necessárias à fase da vida. Assim, alguns locais se tornaram points de encontro da juventude.

Em geral, as crianças e adultos (de todas as idades) chegavam mais cedo à praia. Os jovens costumavam chegar ao iniciar da tarde e lá permaneciam até o anoitecer ou, quiçá, a madrugada.

Seguindo o percurso esperado, o último sábado foi se revelando mais um dia especial e prazeroso, o que acarretou um necessário descanso mental. Contudo, na Praia da Colônia, lá pelas 22h00, os moradores e jovens, que por ali se encontravam, foram surpreendidos com inúmeros disparos de tiro. Pelo que foi dito, um homem saiu correndo na rua e atirando contra um veículo no qual se encontrava a vítima dos disparos.

A única coisa que vi foram pessoas assustadas, sem qualquer relação com o incidente, correndo pela rua. Fiquei chocada ao ver um casal, que empurrava o carrinho com um bebê, correndo desesperado para não se tornar mais uma vítima inocente da ingratidão e da maldade humana.

Confesso que, até o momento, nada de concreto sei sobre o ocorrido e que, além de ouvir os intensos barulhos e de ver a correria, apenas escutei comentários superficiais de pessoas que estavam na rua no momento, mas todos estavam confusos com o ocorrido.  Depois do triste fato, vi um carro de polícia onde a confusão começou e muitos jovens, por segurança, buscando o rumo de casa mais cedo que o comum, o que se fez necessário.

Após, apesar do cansaço, consegui dormir virou um desafio, pois o susto e a tristeza pelo comportamento humano foram grandes. Afinal, Deus nos presenteou com momentos, com sensações e com imagens naturais únicas durante todo o dia todo. A noite, o Criador nos entregou o frescor, mas, surgiram pessoas ingratas para, não só estragar, mas para pôr em risco a, apesar de imperfeita, mais bela criação de Deus: o HOMEM.

 

Katiuscia Oliveira de Souza Marins

 

 

 


Katiuscia Marins Colunista/Jornal Fato Advogada e professora

Comments

SEE ALSO ...