Aurora - Jornal Fato
Artigos

Aurora

Não és boreal nem astral


 

Não és boreal nem astral

Não és norte nem sul

És equilíbrio

És transição

És esperança aos nossos olhos

e a toda nação

 

Para o povo do sonho adormecido

não és noite nem dia

És chegada de alegria,

enquanto esperam pelo dia não vivido

 

Venha, vida!

Venha, Aurora!

Venha sem demora!

 

A luz que outrora se apagou

Agora precisa brilhar

Venha como faísca, centelha ou chispa

Mas venha nos acender e iluminar

 

Traga-nos luz e fisgada de ânimo

Alento ao triste coração

Sorriso que dissipa toda e qualquer decepção

Brilho radiante e crescente

Claridade nascente em meio a escuridão

 

Não nos permita desfalecer

antes do despontar do nascer  

Seja a solução que antecede ao (pôr)vir

Esperança no(va)ssa de um novo amanhecer

 

Venha aurora

Venha sem demora

Venha vida

Venha um novo dia

 

Por Rebeca de Araujo Ribeiro

Comments

SEE ALSO ...