Dias melhores virão - Jornal Fato
Artigos

Dias melhores virão

No meio das centenas de vídeos e mensagens que chegam todos os dias, a maioria ignorada por absoluta falta de tempo, e às vezes até de paciência, um me chamou a atenção


No meio das centenas de vídeos e mensagens que chegam todos os dias, a maioria  ignorada por absoluta falta de tempo, e às vezes até de paciência, um me chamou a atenção.

Ele falava de algo que ouvi a minha vida toda e destacava sobre como as pessoas nos enxergam fortes, mesmo quando somos pura dor e desencanto.

Você sendo violentamente espancada pela vida, fragilizada, aos cacos que  nunca mais serão perfeitamente colados, com cicatrizes e feridas profundas  que insistem em sangrar e as pessoas enxergando força onde há apenas resistência e teimosia.

"Você é guerreira, mulher de fibra, batalhadora, vai superar isso bem rápido. Você é muito forte". E o autor de vídeo alertava que o lado ruim de ser forte é que ninguém tem muito cuidado com você porque sabe que vai aguentar todas as pancadas e maus tratos que a vida te reserva como um prêmio indesejado.

Mas o grande problema, dizia ele, é que aguentar não quer dizer que você não sinta. Que não se machuque. Ao contrário, sentimos muito, em demasia, mas somos bons em externar força quando o desejo  é nos debulhar em lágrimas de sangue.

Eu tenho aprendido, cada vez mais a tirar a capa da mulher maravilha. Cada vez menos estou disposta a carregar o mundo nas costas. A facilitar a vida de quem é um peso morto e nem se incomoda ou envergonha em ser um fardo e sobrecarregar a existência da família e dos amigos com sua inutilidade.

Já convivi com gente assim. E tiram de nós a última gota de energia e esperança com despudor e egoísmo.Eu não sou guerreira. Sou sobrevivente que  insiste em acreditar que é preciso dar o próximo passo.

Mas aprendi algumas coisas pelo caminho. Joguei fora coisas e me afastei de pessoas que não agregam valor e boas energias. Sem nenhum peso na consciência. Enquanto isso continuo juntando os cacos, convicta de que  desistir não é, nem nunca foi ou será, uma opção. Pare de romantizar a minha dor.  Acredito sempre que dias melhores virão. Sem a capa de heroína. E quer saber? Ela não faz a menor falta.


Anete Lacerda Jornalista

Comments