Encanto perdido - Jornal Fato
Artigos

Encanto perdido


Encanto! A palavra surge na mente de Silvio. Tal qual uma epifania. Espantava-se. A conclusão era lógica e explicava a paixão amorosa. Justificava o deslumbramento que sentiu, e sentia, por Márcia. Não explicava tudo, é verdade. Mas justificava os desejos ardorosos, a vontade de vê-la e até os momentos de angústia. Explicava os momentos mágicos que viveram. A magia dos beijos, abraços... A magia de encontros em corpos suados e ardentes. Em suas lembranças mostrava-se feliz. Nas lembranças dos seus momentos vividos, encontrava-se completo. Gostava da magia das lembranças. Mas, voltava à realidade e sentia falta das coisas passadas.

Aos poucos se esquecia de lembrar. As lembranças desapareciam de sua mente. Gradativamente apagava-se o colorido de sua memória. Restava uma imagem em preto e branco. Lembrança e encantamento fugiam do seu pensamento. Com a mente vazia, o corpo esfriava, não reagia aos diversos estímulos. Desapareciam as sensações em peito, braços e pernas. Sentia um vazio imenso. A distância de Márcia levava a isso: vazio e a falta do encanto. Ela justificava: vai evitar sofrimentos. O tempo e a distância facilitaria o esquecimento, completava. Não lembrar diminuiria a paixão. A paixão depende das lembranças, me esqueça, dizia. O não pensar apaga o fogo da paixão e o encanto desaparece, era o que ela pensava.

A paixão leva a riscos, tinha medo, completava. Desejava algo mais, não sabia explicar. Desejava ser compreendida. Ele não parecia ouvir. Desejava o momento, o contato físico. Ela buscava o futuro. Ele desejava o prazer. Ela avaliava perigos. Ele seduzia. Ela resistia aos desejos. Ele fugia das responsabilidades. Ela buscava a segurança. Ele evitava conversar. Ela queria o diálogo. Ele olhava e a desnudava. Ela buscava o olhar. Ele admirava o corpo nu.  Ela...

Silvio retornava às lembranças. Nelas buscava o alento para a saudade. Em seus últimos encontros percebia as mudanças. Eram sutis, porém esclarecedoras. Cada vez menos frequentes. Tempos curtos e de menor intensidade. Angústias no ar. Lágrimas em olhares. Olhares fugidios. Toques leves. Mãos afastadas. Algo se esvaindo dos corpos presentes. Um fim em formação. Ele, desesperadamente, procurava despertar os desejos. Ela apresentava-se decidida. A paixão era substituída pela razão. A racionalidade humana se sobressaindo. Desfazendo loucuras da paixão amorosa. A racionalidade expondo o medo das consequências. Permanecia o amor, mas não era suficiente para afastar o medo. A racionalidade trazia outros sentimentos. A racionalidade trazia a culpa. Formava uma nova consciência.

Ainda existiam resquícios da volúpia, pensou Silvio. Afastava, por alguns instantes, o medo, a culpa e a vergonha. A volúpia poderia mudar a racionalidade. Afugentaria a razão e a consciência. Ela parecia ceder. Logo, o impulso foi dominado e a coragem esquecida. O medo molda a vontade e afasta as aventuras. Por fim, restou a Silvio buscar suas lembranças, nelas recuperaria as fantasias e o encantamento perdido.

Sergio Damião Santana Moraes

Visite meu Blog: blogazulix.blogspot.com.br


Dayane Hemerly Repórter Jornal Fato

Comentários

VEJA TAMBÉM...