Impacto ambiental de obra na praia é debatido - Jornal Fato
Política

Impacto ambiental de obra na praia é debatido

Responsáveis por projeto na orla garantem melhoria na mobilidade urbana, que vegetação de restinga será preservada e que houve preocupação, inclusive, com o bem-estar de tartarugas


População comparece em massa a audiência pública organizada pelo IEMA - Foto: PMM

A audiência pública promovida pelo Governo do Estado para debater com a população de Marataízes as questões envolvendo licenciamento ambiental do projeto de reurbanização da Praia Central atraiu público expressivo, na noite da última quinta-feira, ao auditório da Pousada Alto da Praia.

Representantes da firma que elaborou o plano garantiram que haverá melhoria na mobilidade urbana, que a vegetação de restinga será preservada e que houve preocupação, inclusive, com o bem-estar das tartarugas marinhas, entre outras questões ecológicas.

A licitação para a escolha da empresa que vai tocar a obra está marcada para o dia 31 de julho, às 9h30, na sede da Prefeitura de Marataízes. A previsão é de que os trabalhos comecem em setembro e sejam concluídos em um ano.

A Prefeitura do balneário enviou servidores das pastas de Obras e de Meio Ambiente à reunião, organizada pelo Instituto de Meio Ambiente e Recursos Hídricos (IEMA).

Técnicos da empresa responsável, Avantec, apresentaram o "Projeto de Melhoria de Mobilidade Urbana e Reurbanização da Praia Central de Marataízes".

Participaram da audiência pública diversas autoridades locais e estaduais. Entre elas, o prefeito do balneário, Robertino Batista da Silva; o presidente da Câmara Municipal, Willian de Souza Duarte; o deputado federal Lelo Coimbra; além dos deputados estaduais Rodrigo Coelho e Claudia Lemos.

 

Turismo

"Um sonho meu, de todos os moradores do Sul do Estado... cumprimos hoje mais uma etapa do licenciamento ambiental para darmos início a esta obra. Nunca medimos esforços para estarmos num dia como o de hoje. Agradeço a todos que apoiaram tecnicamente e politicamente", discursou o prefeito.

Robertino destacou o resgate do desenvolvimento turístico que o empreendimento deve proporcionar. "A reurbanização é um investimento que trará benefícios para todos os comerciantes do município, trazendo de volta a Pérola Capixaba, nos possibilitando investir em mídia fora do Estado, convidando os turistas para voltar a passar suas férias em Marataízes".

Para ele, "a Praia Central foi e voltará a ser o principal cartão de visitas de Marataízes, trazendo emprego e renda para a nossa população".

 

Melhorias

O engenheiro civil Kleber Pereira Machado, diretor-presidente da Avantec, assegurou que o projeto elaborado vai gerar melhoria na mobilidade urbana, renovação da paisagem, valorização da orla e da identidade visual, com calçadas mais amplas e ordenadas, estacionamentos, acessibilidade, iluminação adequada, pavimentação, além de micro e macro drenagem.

A empresa Avantec venceu em 2013 a licitação realizada pelo governo capixaba para a elaboração da proposta e também para os estudos ambientais realizados pela Prefeitura de Marataízes.

Segundo Kleber, "o governo do Estado pensou esse projeto para uma Marataízes daqui a 20, 50 anos". Nesse primeiro momento, explicou o diretor da Avantec, "será feito o trecho da praça central até a chegada de Cachoeiro, inclusive o píer". A área próxima à igreja também será contemplada com uma reforma geral.

 

Vegetação

Engenheiro ambiental da empresa, Marco Aurélio Costa Caiado garantiu que o plano paisagístico respeitou todas as árvores existentes na praia e que a restinga também será preservada.

Ele ainda expôs as diretrizes do projeto de iluminação, que têm que levar em consideração as tartarugas marinhas.

"Colocamos sob a avaliação do Projeto TAMAR, obtivemos a licença do IBAMA, o plano de iluminação está em consonância para que as tartarugas marinhas não se desorientem quando nascerem na Praia Central de Marataízes".

 

Debate

Com a abertura do debate, após a apresentação dos dados técnicos, os principais questionamentos do público presente foram quanto ao fluxo do tráfego na orla durante a obra, ao material usado e sobre a previsão para o início da segunda etapa.

O IEMA informa que outras manifestações sobre o empreendimento poderão ser feitas até o dia 09 de julho. Todo o material produzido durante a reunião pública (ata, lista de presença, perguntas etc.) está à disposição no site (www.iema.es.gov.br).

Comentários

VEJA TAMBÉM...