TJ institui grupo para debater método APAC - Jornal Fato
Estadual

TJ institui grupo para debater método APAC

Método tem apresentados bons resultados em outros Estados do País, com baixa reincidência dos reeducandos atendidos.


Prédio da Apac em Cachoeiro - Foto: Dayane Hemerly

O Presidente do Tribunal de Justiça do Espírito Santo (TJES), Desembargador Sérgio Luiz Teixeira Gama, e o Supervisor das Varas Criminais e de Execuções Penais e do Grupo de Monitoramento e Fiscalização do Sistema Carcerário do Espírito Santo GMF/SC, Desembargador Fernando Zardini Antonio, instituíram um Grupo de Trabalho com o objetivo de promover o debate sobre o método APAC no âmbito do Poder Judiciário do Espírito Santo e perante outras instituições e sociedade civil organizada.

O GT, coordenado pela Juíza de Direito em exercício na Vara de Execuções Penais de Vila Velha - VEP, Graciela de Rezende Henriquez, e composto pela Coordenadora das Varas Criminais e de Execuções Penais, Juíza Gisele Souza de Oliveira e pela Juíza da 2ª Vara Criminal de Cachoeiro de Itapemirim - Privativa das Execuções Penais, Juíza Rosalva Nogueira, vai analisar a viabilidade e conveniência da aplicação do método APAC no âmbito da Execução Penal do Estado. O Ato Normativo Conjunto saiu publicado no DJ desta sexta-feira (21/09).

O Método da Associação de Proteção e Assistência aos Condenados (APAC) surgiu no interior do Estado de São Paulo, na cidade de São José dos Campos, e ganhou notoriedade ao apresentar bons resultados também em outros Estados. 

A APAC tem origem na sociedade organizada, mediante a realização de trabalho voluntário no interior de cadeias públicas e de presídios, tendo sido sistematizado, com elaboração de metodologia própria aplicada junto aos apenados.

O Grupo de Trabalho deve apresentar, em sessenta dias, um relatório das atividades desenvolvidas ao Supervisor das Varas Criminais e de Execuções Penais,  Desembargador Fernando Zardini Antonio. 

De acordo com a Juíza Graciela de Rezende Henriquez, que vai coordenar o GT, a APAC pode ser uma excelente aliada para a ressocialização dos reeducandos. "Hoje ainda temos muitas dificuldades para reinserir um reeducando na sociedade. A APAC pode ser uma grande aliada para oportunizar trabalho e estudo aos internos que deveriam, pela lei de execução penal, trabalhar e estudar no regime semi-aberto".

A magistrada está otimista, principalmente ao fazer uma análise dos resultados alcançados hoje pelas APACS em comparação com as unidades prisionais comuns: "Hoje, em média, temos reincidência de 80 a 85% dos internos que cumprem pena nas unidades prisionais comuns. Com o método APAC, esse número não chega a 20%. Apesar de ter uma vigilância menor que a dos presídios comuns, o índice de fuga não chega a 1%", destacou a Juíza.

Comentários

VEJA TAMBÉM...