Especial

História de lutas, conquistas e desafios


"O empoderamento feminino reside na capacidade de ser a mulher de seu tempo, com sua coragem, seus receios e a escrita diária de sua poesia, tão única" - Simone Lacerda, escritora, professora, fiscal sanitária e estudante de Psicanálise

Marcos Leão

 

As lutas são muitas... pelo direito ao voto, por melhores condições de trabalho, pela igualdade, dignidade e reconhecimento. E, por incrível que pareça, em pleno século 21, ainda contra o assédio sexual e a violência.

 

Desde quando no país foram autorizadas a votar - em 1932 - até os dias atuais, muitas conquistas foram obtidas, porém.

 

Atualmente, podemos observar mulheres desempenhando todo o tipo de profissão, que antigamente eram destinadas apenas a homens: motorista de ônibus, policial, cirurgiã, presidente, executiva, piloto de avião... nem o céu é o limite, pois há tempos que são até mesmo astronautas.

 

Uma evolução e tanto, principalmente se fizermos um paralelo com a época do período colonial, quando a mulher era tida como uma propriedade (assim como os escravos) - condicionada a casamentos arranjados, desprovida de acesso a conhecimento e cultura, para que não contestasse a condição de submissão exigida a quem pertencesse, fosse ao pai ou ao marido.  

 

Elas, agora, não querem somente as mesmas oportunidades no mercado de trabalho. Mas também o reconhecimento por serem capazes de realizar diversas tarefas simultaneamente: esposas, profissionais, mães, donas de casa, filhas.

 

Debate

 

O Dia Internacional da Mulher, celebrado hoje (08 de março), incita debates na busca de soluções para a discriminação, uma realidade presente até hoje em muitos países, infelizmente.

 

É hora de comemorar tudo que já foi realizado e lembrar que há ainda muito mais conquistas a serem feitas. E aproveitar o espaço para debater e conscientizar as pessoas sobre o preconceito ainda existente.

 

Parece mentira, mas ainda tem gente que pensa assim, que a mulher deve ser subjugada. Se trabalha, deve ganhar menos que os homens. Se tem filhos, deve continuar sozinha a jornada em casa... e por aí vai. Até mesmo para frequentar uma academia de ginástica ou usar uma saia mais curta, muitas encontram resistência.

 

Costumes machistas e discriminatórios, arraigados há séculos, relutam em sumir de vez. Pais e mães são responsáveis pela educação de seus filhos, podendo influenciar positiva ou negativamente. Com pequenas iniciativas - como, por exemplo, ensinar que os trabalhos domésticos são responsabilidade de todos, e mostrar que homens e mulheres são iguais em direitos, independente de raça e credo - contribuem para a construção de um mundo melhor. 

 

História


Já não suportando mais as condições precárias de trabalho (insalubridade, jornadas diárias de mais de 12 horas e salários medíocres), organizações femininas surgidas no movimento operário passaram a protestar no berço da revolução industrial (Europa e Estados Unidos da América) no fim do século 19, relatam historiadores.  

 

Décadas se passaram e uma resolução para a criação de uma data anual para a celebração dos direitos da mulher foi aprovada por mais de cem representantes de 17 países, em 1910, durante a II Conferência Internacional de Mulheres Socialistas, na Dinamarca. O objetivo era honrar as lutas femininas e, assim, obter suporte para instituir o sufrágio universal em diversas nações. 

 

A oficialização como Dia Internacional da Mulher, no entanto, ocorreria apenas em 1921. Para isso, foram fundamentais protestos eclodidos em meio à "Grande Guerra" (1914-1918).
O homem precisaria dar mais um belo exemplo de quão estúpido pode ser - a Segunda Guerra Mundial -, antes que o primeiro acordo internacional que afirmou princípios de igualdade entre os sexos fosse assinado, em 1945. O reconhecimento disso já é outra história...
 

 

Coração

 

"Ser mulher é fazer parte de uma história de luta e de conquista. O coração de uma mulher é diferente de qualquer outro que habita o interior de todos os seres. A mulher é vida. Ela dá vida. Ninguém espelha tanto a esperança quanto a mulher. Ninguém.

 

A gente deveria ajoelhar todas as noites, agradecendo a Deus a dádiva que Ele nos deu: a mulher.

 

Não há algo que brilhe mais em nosso planeta do que as mulheres. Não há algo que respire mais amor, mais verdade.

 

A mulher é singular sob todos os pontos de vista.

 

Obrigado, mulheres, por serem tão especiais!".

 

Eu, Vilma Vargas, sou mulher, sou mãe, sou filha, sou dona de casa, sou profissional e acima de tudo sou feliz!

 

Beleza que surpreende

 

E lembrando que beleza também é fundamental, a nova campanha "Lugar de Mulher é no Salão", alusiva ao dia internacional que exalta elas, lançada pelo Salão Anderson Del' Puppo nas redes sociais, frisou as novidades especiais do mês de março, dedicado somente às mulheres. Mas não foi revelado o que são essas "novidades especiais". Para descobrir, só agendando um horário!

 

 

 

 

 

Comentários

VEJA TAMBÉM...