Mostra para conscientizar sobre o meio ambiente - Jornal Fato
Educação

Mostra para conscientizar sobre o meio ambiente

O evento aconteceu na Praça Jerônimo Monteiro na manhã desta quinta-feira (04)


Alunos do 6º ao 9º ano do ensino fundamental participaram de Mostra de Ciências em Cachoeiro - Fotos: Dayane Hemerly

Conscientização é a palavra de ordem que rege os trabalhos da II Mostra de Ciências - Ressignificação do Ser Humano no Meio Ambiente, que reúne 16 escolas da rede pública de Cachoeiro de Itapemirim. O evento aconteceu na Praça Jerônimo Monteiro na manhã desta quinta-feira (04).

A exposição levou ao público abordagens como não desperdiçar água, economizar energia, separar lixos, não jogar lixos nas ruas, usar mais bicicletas, reaproveitar alimentos e reciclar.

Desenvoltos, os alunos explicaram os mais variados assuntos dos expositores.

A aluna Roberta Dissolis, de 12 anos, cursa o 6º ano na escola Emeb Luiz Semprini, apresentou o projeto O Impacto das Eleições no Meio Ambiente. A estudante comenta que até preparar o projeto, não fazia ideia de como com as eleições a poluição das cidades aumenta.

"São coisas que a gente acha bobas. Santinhos, que as pessoas acham que é pouca coisa, por exemplo, é muita coisa. Temos dados de pesquisas realizadas por nós que mostram que em 2012 foram 57 bilhões de panfletos jogados nas ruas. Então, esse trabalho nosso é feito para conscientizar as pessoas, e a mim mesma, que aprendi muito após essas pesquisas, sobre a quantidade de lixo que despejamos nas ruas durante as eleições", comenta Roberta.

A professora de Ciências da escola, Milla Louven Moralis, explica que o projeto é interdisciplinar e envolve professores de matemática e história. Na exposição, os alunos apresentaram um gráfico que mostra a quantidade de papel que é produzido e quantas árvores são derrubadas para a eleição. Além disso, expuseram uma linha do tempo mostrando as eleições desde o ano 1532 até os dias atuais.

"Na disciplina de ciências fizemos uma maquete para mostrar as queimadas, o desmatamento, produção de resíduos sólidos e o impacto que isso causa ao meio ambiente", comenta.

A professora disse que os trabalhos são importantes, pois os alunos, na prática, se conscientizam sobre a importância de preservar a natureza e, consequentemente, transferem o que aprenderam para outras pessoas.

Na escola Emeb Anacleto Ramos, os alunos trabalharam Compressor do Ar. A professora de ciências, Rosinéia de Melo da Silva Adriano, explica que a proposta da escola é abordar questões do meio ambiente, conscientizar o aluno para que ele use os recursos da natureza com responsabilidade.

"Esse trabalho prioriza a preservação do meio ambiente, no que diz respeito à energia solar e a captação da água da chuva. Eles retratam na maquete, a indústria e a empresa de mármore, por exemplo, que usa bastante água, e aí retratam a captação da água da chuva como alternativa de economia e reaproveitamento. Na cidade, onde há muitos prédios, eles trabalham com a captação da energia solar para distribuir para o condomínio e ainda iluminar a cidade. Nessa maquete eles também colocam menos carros nas ruas e maior número de bicicletas", complementa.

Cristiane Mion, professora de geografia, relata que a mostra é de grande importância, não só para a escola, mas para todos os que fazem parte, porque têm oportunidade de ver propostas de uma cidade ideal. "Os meninos apresentam com propriedade esse olhar sustentável para uma cidade mais humanizada, com propostas de cuidar do meio ambiente e sentir parte dele, porque, afinal, somos parte do meio ambiente", finaliza.

O aluno Liedson Caetano Abreu, do 9º ano da escola Emeb Jenny Guárdia, fala sobre o tema Comparativo entre um Ambiente Preservado e um Ambiente Degradado. Ele explicou que o projeto é um experimente científico, em que mistura água e corante. Essa mistura faz com que a água continue translucida. Isso representa os alimentos que consome-se com bactérias e não é percebido. "As estações de tratamentos são responsáveis por tratar a água, mas é no percurso dela até a chegada nas casas que é contaminada. Ingerimos esses micróbios e não percebemos. Por isso a importância de filtrar a água em nossas residências", explica.

Yasmin Cristina, de 13 anos, do 7° ano da Emeb Maria das Dores Pinheiro Amaral, conta que aprendeu muito ao fazer o projeto, que aborda Brincando e Aprendendo de Forma Sustentável, porque era daquelas pessoas que não economizavam muito. "Com esse trabalho aprendi a reciclar muitas coisas. Brinquedos recicláveis ajuda no aprendizado de várias crianças".

O projeto consiste em fazer brinquedos com materiais recicláveis como Reco-reco e Vai e Vem. "Esses são brinquedos divertidos que pouca gente dá importância. Então, queremos aqui ensinar que nem sempre é preciso comprar brinquedo novo para poder se divertir. Você pode fazer brinquedos com o que tem em casa", completa.

O Pedro Pin, do Emeb Prof. Pedro Estellita Herkenhoff, está no 9º ano e apresentou o tema A Preservação Ambiental na Cafeicultura.

"Por meio desse projeto eu pude compreender mais sobre a produção do café desde a agricultura tradicional, em 1900, até a moderna, em 2018. O café teve grandes fluxos comerciais no ES, sendo que o Estado é o segundo maior produtor de café. Também passei a conhecer todas as técnicas que se usa para secar e desenvolver o café, e nutrir a terra", esclarece.

Pedro fez doce de café e, para isso, aprendeu a manusear o produto, desde o grão, filtro de café, e também artesanato como pintura com café.

"Eu peguei uma culinária francesa para poder levar para a mostra que são os macarons. São feitos com farinha de amêndoa, açúcar de confeiteiro, leva umas quatro horas para fazer, mas vale a pena", considera. O grupo também fez bolo caramelizado de café.

Foi a primeira vez que a mostra foi exposta na praça, porém já havia sido apresentada nas escolas.

 

 

 

Comentários

VEJA TAMBÉM...