Troca na coleta de lixo custará R$ 1 milhão a mais - Jornal Fato
Cidades

Troca na coleta de lixo custará R$ 1 milhão a mais

Empresa que prestava o serviço descumpriu seguidamente o contrato e foi multada em R$ 26 mil em Cachoeiro


A nova empresa, Corpus Saneamento e Obras LTDA, já opera desde ontem e foi contratada em caráter emergencial

A troca de empresa para a realização do serviço de coleta de lixo em Cachoeiro de Itapemirim vai representar gastos adicionais superiores a R$ 1 milhão nos próximos seis meses, tempo do contrato fechado com nova empresa, que começou a prestar o serviço na quinta-feira (5).

A Corpus Saneamento e Obras LTDA foi contratada de forma emergencial, em função da rescisão unilateral pela prefeitura do contrato com a companhia Trattar, motivada pelo descumprimento das obrigações contratuais por parte da prestadora do serviço.

A cada tonelada de lixo recolhido, a nova empresa recebe R$ 152,10, valor estabelecido no contrato atual. Para a companhia antiga, o município pagava a quantia de R$ 105,00.

Segundo dados da própria Prefeitura, divulgados em outubro de 2017, quando a Trattar começou a operar, aproximadamente 3,7 mil toneladas de lixo são recolhidas mensalmente em Cachoeiro. Com isso, a despesa com o serviço nos próximos 180 dias sobe de aproximadamente R$ 2,3 milhões para perto de R$ 3,4 milhões.

Ou seja, em apenas seis meses a diferença de 44% vai consumir mais de R$ 1 milhão dos R$ 4,3 milhões que a Prefeitura pretendia economizar em dois anos a partir da contratação da Trattar e reformulação do contrato para a destinação final, com a CTRCI, onde o material é depositado.

O valor maior, segundo explicou a prefeitura, se deve ao fato de que o atual contrato contempla novas vigências à prestadora de serviço e, sucessivamente, custos que não estavam previstos no antigo.

Como detalhou a prefeitura, por exemplo, para garantir o atendimento a uma solicitação do Ministério Público do Trabalho, relacionado ao transporte dos coletores, o quantitativo de carros e rotas foi ampliado.

A prefeitura ainda informou que há novidade no investimento, que é um veículo compactador de menor porte, usado para atendimentos em áreas de difícil acesso.

 

Multas

A antiga empresa de coleta de lixo de Cachoeiro de Itapemirim recebeu multa de R$ 26 mil. Outras quatro multas aplicadas a ela ainda terão valores consolidados nos próximos dias, segundo informou a prefeitura municipal.

Em nove meses de atuação, a Trattar recebeu dez notificações e teve multas aplicadas pela Secretaria Municipal de Serviços Urbanos. A prefeitura decidiu trocar a empresa devida às recorrentes falhas no trabalho de coleta, incluindo paralisações temporárias que geraram transtornos aos moradores.

"Mesmo depois das nossas cobranças e sanções, a empresa não adequou sua capacidade operacional para cumprir o contrato e atender a população de Cachoeiro a contento. Assim, tivemos que recorrer à rescisão e, logo, à contratação emergencial, para não interromper a coleta de lixo, que é um serviço essencial e não pode parar", explica o secretário municipal de Serviços Urbanos, Paulo Miranda.

 

Comentários

VEJA TAMBÉM...