Áreas em Cachoeiro receberam 4 vezes mais chuva que o previsto - Jornal Fato
Cidades

Áreas em Cachoeiro receberam 4 vezes mais chuva que o previsto

Na região próxima à Safra, chegou a 130 milímetros, e a média no município, foi de 74


A intensa chuva em Cachoeiro de Itapemirim na terça-feira (08) - que começou no meio da tarde e foi até a meia-noite - provocou deslizamentos, lama, alagamentos e, no bairro Novo Parque, a queda da parede de uma residência, sem feridos.

A pluviosidade prevista para o dia era 30 milímetros, na média entre os bairros. Porém, na avenida Beira Rio, o índice chegou a 125, quatro vezes mais. Na região próxima à Safra, chegou a 130 milímetros, e a média no município, foi de 74.

"Os problemas mais frequentes com chuva aqui no município são os gerados pelo tempo maior de chuva, e, nesta terça-feira, choveu por longo período. Apesar de o rio Itapemirim não ter subido, tivemos uma situação atípica, e a expectativa é de que as ocorrências continuem chegando até, pelo menos o início da noite desta quarta-feira (ontem)", explicou o coordenador local da Defesa Civil, Francisco Inácio Daroz.

Daroz convoca os moradores a ajudar no que for possível com informações, sobre áreas que podem apresentar riscos. Basta ligar para 199 ou para o celular de plantão das equipes: 98814-3497.

 

Estragos

Teve desmoronamento de pedra na rua Brahim Seder, no centro, e queda de muro na rua Anacleto Ramos, além de casos de infiltrações de água em residência, por exemplo, no Zumbi.

Nos distritos de Conduru e Soturno, foram registrados caso de erosão e queda de barranco. No bairro Aquidaban, a lama invadiu o cruzamento entre as ruas Samuel Levy e Alziro Viana, e a passagem de veículos ficou impedida durante parte da manhã. Os agentes de trânsito da prefeitura orientaram motoristas no trecho, e a Secretaria de Serviços Urbanos cuidou da limpeza.

Os pontos mais críticos com lama foram o da Samuel Levy e da avenida Mauro Miranda Madureira, entre os bairros Coramara e Elpídio Volpini (Valão). De cada um desses dois trechos, foi retirada terra equivalente a seis caminhões. A prefeitura desenvolve projeto de obra no Coramara para diminuir a incidência de lama na área. Outro ponto crítico fica na rua José Lorenzo Solino, onde passava linha do trem no bairro Amaral.

"Nossas equipes monitoram desde terça os locais mais afetados pela chuva e, pela manhã, o trabalho de limpeza percorreu diversos bairros. O monitoramento seguiu orientação do prefeito Victor Coelho e foi muito importante para mensurar os impactos e traçar estratégias de emergência", ressaltou o secretário municipal de Serviços Urbanos, Paulo Miranda.

 

Prefeito vistoria áreas atingidas

O prefeito Victor Coelho visitou ontem algumas áreas atingidas pela forte chuva e prometeu empenho para solucionar os problemas. Um dos pontos visitados foi a escadaria José Frauches da Silva, no bairro Aquidaban.

A estrutura já estava interditada desde novembro de 2016 após desmoronamento do muro de contenção, mas o barranco cedeu ainda mais durante a chuva e o poste caiu. Moradores dos prédios situados próximos da escadaria estão preocupados.

O prefeito conversou com os moradores e explicou que há recurso destinado pelo Ministério das Cidades no valor de R$ 500 mil para intervenções na escadaria e também para construir um muro de contenção na rua Vicente Campos, próximo ao local, parcialmente interditada.

No entanto, explicou o prefeito, houve uma falha no empenho do recurso, em Brasília, pois consta como objeto principal do contrato a pavimentação da rua Vicente Campos, quando na verdade a obra prioritária são a escadaria e os muros de contenção.

Victor Coelho foi ao local acompanhado de um representante da Caixa Econômica Federal, para avaliar a obra.

"O projeto está 100% pronto, só dependemos dessa correção. Mas se demorar muito vamos dar início com mão de obra própria. No entanto, vamos nos esforçar para não perder os R$ 500 mil, que são resultado de emenda parlamentar", destacou.

O prefeito foi também até a rua João Marques, no bairro Novo Parque. No local, um barranco cedeu e destruiu a parede de uma residência. Toneladas de terra caíram na cama da dona de casa Aureni Barbosa do Amparo, 58.

"Por sorte eu não estava em casa, pois poderia ter morrido", destacou Aureni. Ela reclamou que o problema ocorre porque a água das ruas acima é lançada para o terreno acima de sua residência.

Victor Coelho garantiu que a prefeitura está mobilizada para resolver o problema e ajudar a dona-de-casa. Máquinas do município retiraram lama da rua.

 

Ocorrências registradas até o meio-dia desta quarta-feira (09):

Residência em risco: 14 - Novo Parque, Zumbi, Amaral, Alto Amarelo, Recanto, Aquidaban, Baiminas, Basileia e Vila Rica.

Talude em risco: 8 - São Geraldo, Nossa Senhora Aparecida, Amarelo, Agostinho Simonato, Coronel Borges, Amaral, Gilberto Machado e Arariguaba.

Muro em risco: 2 - Ferroviários e São Luiz Gonzaga.

Risco em área pública: 2 - Aquidaban e Centro.

 

 

Comentários

VEJA TAMBÉM...