Agente de endemia morre com suspeita de dengue hemorrágica - Jornal Fato
Cidades

Agente de endemia morre com suspeita de dengue hemorrágica

Romulo Pereira Rodrigues, 55, de Mimoso do Sul, começou a passar mal no sábado (09) e morreu na terça (12)


 

Redação

 

Um morador de Mimoso do Sul morreu na tarde desta terça (12) com suspeita de dengue hemorrágica. O agente de endemias Romulo Pereira Rodrigues, 55, estava internado na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) da Santa Casa de Vitória.

 

A informação sobre a morte de Rominho, como ele era chamado na cidade, chocou moradores de Mimoso do Sul.

 

"A notícia nos pegou de surpresa. Era uma pessoa que só fazia o bem. Tinha um trabalho social muito importante", disse o assessor parlamentar Alexandre Ayub Neto, o Xanda.

 

Segundo familiares, Romulo era funcionário da Fundação Nacional de Saúde (Funasa) e estava cedido para a Prefeitura de Mimoso, onde atuava no combate à dengue e outras endemias.

 

A família informou que Rômulo passou por exames no Instituto Médico Legal (IML) de Vitória e o laudo que irá confirmar se ele morreu por dengue hemorrágica irá sair em 30 dias. Ele será sepultado nesta quarta (13), às 13 horas, no cemitério de Mimoso do Sul.

 

Rominho era muito conhecido na cidade. Ele colaborava com o projeto Reviver, na recuperação de dependentes químicos e idealizou o programa "Árvores de Mimoso do Sul", que incentiva o plantio de árvores.

 

"Foi um baque para mim, uma coisa repentina. Na quinta, ele esteve lá em casa levando vários peixes vivos para ajudar a repovoar o rio. Era um grande parceiro", disse o amigo Heron Carlos Machado Gomes.

 

De acordo com a família, Rominho começou a passar mal no sábado (09), com dores no corpo e enjôo. Foi atendido no Hospital Apostolo Pedro, em Mimoso, ficou no soro e teve alta no mesmo dia.

 

No domingo (10), viajou para Vila Velha para a casa de sua mulher. Porém, seu quadro de saúde piorou. Foi internado na madrugada de terça (12), na UTI da Santa Casa de Vitória, com diagnóstico de dengue hemorrágica.  Morreu por volta de 13 horas.

 

Segundo a mulher dele, Maria Aparecida da Costa Silva, 43, Romulo chegou passando muito mal e só quis ficar deitado. Na segunda (11), explicou, ele começou a fazer vômito e foi levado para o pronto-atendimento da Glória, em Vila Velha.

 

No pronto-atendimento, Romulo foi medicado, mas piorou. Por volta de 3h30 de terça (12), ele foi transferido para a Santa Casa, onde acabou morrendo pouco tempo depois.

Comentários

VEJA TAMBÉM...