Bienal

Feira de Livros é atração da Bienal Rubem Braga


Fotos: Ailton Weller

 

por Ailton Weller

 

Um dos destaques da VI Bienal Rubem Braga, a Feira de Livros, que reúne cerca de 15 mil títulos de 200 editoras do País, é o ponto de encontro de estudantes e demais visitantes que terão a oportunidade de viajar pelo mundo da literatura a partir dos livros infantis, romance, ficção e didáticos. Em oito estandes instalados no auditório Marco Antonio de Carvalho acontecerão lançamentos de livros de autores capixabas e de outros estados durante a realização do evento que termina no próximo domingo.

 

Para o presidente da Câmara Capixaba do Livro, Maurício Generoso, 58 anos, e há 31 na profissão de livreiro, a bienal é uma das mais importantes iniciativas para destacar a literatura, pois coloca os visitantes em contato com os mais diversos estilos. "Posso garantir que esse evento não fica a dever a nenhum outro do mesmo gênero em todo no Brasil. Participo desde a primeira edição e atuo na coordenação dos expositores. A cada ano só temos a comemorar com a expansão e organização dessa feira e, é claro, no contexto geral da programação da Bienal", afirma.

 

Livreiro em Itapemirim, Generoso, aponta para os mais variados estilos literários e a oportunidade do leitor adquirir o livro de sua preferência a partir das promoções, que giram entre R$ 9, e dos preços convencionais que podem chegar aos R$ 40. "Há de tudo um pouco e vale a pena os cachoeirenses e visitantes passarem pela Sala Rubem Braga para conhecer a feira, além de interagir com escritores que estarão lançando suas obras durante os dias da bienal", comentou.

 

Maxwilliam Rangel, 40 anos, dono de livraria em Cariacica, na região da Grande Vitória, há 20, contou que participa da Bienal Rubem Braga desde a sua primeira edição quando, segundo ele, começou de forma 'tímida' até chegar ao modelo atual. Rangel vê na feira uma oportunidade de aquisição de obras por preços abaixo do mercado, além de colocar num mesmo espaço uma variada gama de gêneros. "Acredito que, principalmente, para os escritores capixabas, ainda pouco valorizados por falta de incentivos público e privado, o espaço se torna o local ideal para que eles mostrem sua arte e seu talento", opinou.

 

Rômulo Falqueto, 35 anos, livreiro há 10, participa pela segunda vez do evento e seu estande é dedicado a literatura infantil e didática. Ele contou que viu a bienal crescer nas últimas duas edições e espera que os próximos administradores de Cachoeiro mantenham a tradição que já se tornou a Bienal Rubem Braga. "Hoje, as livrarias e escritores de todo o País têm as atenções voltadas para essa feira literária que conseguiu projeção nacional. Faz parte do calendário cultural brasileiro e precisa ser mantida e, se possível, ampliada a cada nova edição", pontuou.

 

Programação de hoje

 

Feira de livros - Marco Antônio Auditório de Carvalho
9h00 e 14h00:  Leitura, Literatura e Internet, com Felipe Castilho, Babi Dewet e Giovana Damaceno
19h00: A Literatura Como Porta-Voz das Ruas, com Sérgio Vaz, Paulo Lins e Jorge Nascimento

 

Confira a programação completa AQUI

Comentários

VEJA TAMBÉM...