Artistas falam sobre comportamento nas redes sociais - Jornal Fato
Bienal

Artistas falam sobre comportamento nas redes sociais

Um público majoritariamente composto por jovens e adolescentes esteve no Auditório Marco Antonio de Carvalho para ouvir três especialistas no assunto


Com mediação de Simone Lacerda, os três convidados avaliaram os desafios em um mundo mais conectado

Como lidar com os desafios da vida em um mundo em que as fronteiras entre "real" e "virtual" se diluem cada vez mais? Esse e outros questionamentos deram a tônica da mesa de debates "Conectado nas redes sociais - como se comportar", realizada nesta quinta-feira (17), às 9h e às 14h, na 7ª Bienal Rubem Braga, que acontece até o próximo domingo (20), na Praça de Fátima, Centro de Cachoeiro.

Um público majoritariamente composto por jovens e adolescentes esteve no Auditório Marco Antonio de Carvalho para ouvir três especialistas no assunto: Ligia Fascioni, designer, palestrante e consultora brasileira que reside na Alemanha, responsável por aquele que é considerado um dos dez melhores blogs em língua portuguesa; Pedro Henrique, carioca que conquistou milhões de seguidores com o projeto "Um Cartão"; e Kenia Maria, atriz, escritora e youtuber do Rio de Janeiro, eleita defensora dos direitos das mulheres negras na ONU Mulheres. A mediação ficou por conta da escritora cachoeirense Simone Lacerda.

"Muita gente reclama que recebe muita coisa ruim pelas redes sociais. A minha timeline é ótima, só passa coisa boa", destacou Ligia, que tem formação em engenharia e começou a programar computadores muitos anos antes das mídias digitais. "Rede social é como fogo: você tem que saber administrar bem", exemplificou.

Ao contrário de Lígia, a relação de Kenia com a tecnologia surgiu mais tarde. Segundo ela, até os 20 anos, nem tinha televisão em casa. Decidiu encarar as redes sociais quando a filha se tornou adolescente e se inseriu nesse universo. "No início tive medo, mas reconheço que as redes têm um poder enorme", destacou.

Um poder, aliás, que se esforça em canalizar para uma educação sobre as questões raciais. "Temos o caso recente de uma youtuber negra, de 10 anos, que recebeu ataques verbais muito violentos pela internet. Uma criança! Falar sobre racismo não é uma questão de escolha, mas de necessidade, não é 'mimimi'. Todos os dias eu acordo em casa com duas mil e tantas marcas de produtos e nenhum deles têm representatividade para os negros e negras", disse.

No caso de Pedro Henrique, que abdicou de uma carreira na área de direito para se dedicar à sua paixão por escrever - no seu caso, cartões artesanais com frases motivacionais, reproduzidos em fotos nas redes - o seu foco está em espalhar o bem e deixar de lado a exposição pessoal.

"Vocês não me conhecem, mas já devem ter visto alguns dos meus cartões. Tem um rapaz na plateia que me mandou um inbox, lembro dele. E dessa forma a gente tá conectado. Mas não adianta você ser uma 'pessoa boa' nas redes sociais e uma 'pessoa ruim' na vida real - e vice-versa. Uma coisa é o reflexo da outra", defendeu Pedro.

"Cada um escolhe o que é bom para si, tem suas próprias ideias e valores. A questão é que muita gente não pensa em qual é o papel delas próprias. Se eu penso no que eu sou e no que eu tenho a dizer para o mundo, eu penso também nos critérios para utilizar as redes sociais", complementou Ligia.

Os palestrantes também tiveram tempo para responder perguntas da plateia, que variaram entre questionamentos sobre o trabalho de cada um, literatura na internet e maneiras de evitar os efeitos nocivos da grande rede. "O tema do debate é muito atual, gostei bastante, fiquei apaixonada pela Kenia! Muito legal que haja esse tipo de discussão em um evento importante como a Bienal", comemorou a estudante de psicologia Victória Penhales.

 

A Bienal

A Bienal Rubem Braga é uma realização da Secretaria Municipal de Cultura e Turismo (Semcult), apoiada pelo governo do estado, Unimed Sul Capixaba, Sebrae, Sesc, Senac, Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes), Instituto Federal do Espírito Santo (Ifes - campus Cachoeiro), TV Gazeta Sul e jornais ES de Fato, Aqui Notícias e Folha do ES.

A programação completa, totalmente gratuita, pode ser acessada no site oficial: bienalrubembraga.cachoeiro.es.gov.br.

Comentários

VEJA TAMBÉM...