Nostalgia - Jornal Fato
Artigos

Nostalgia

Mais do que nunca, as coisas simples da vida têm me envolvido


Mais do que nunca, as coisas simples da vida têm me envolvido. Abraçado talvez seja a palavra mais adequada. Abraços fortes, acolhedores, cheios das melhores memórias afetivas, táteis e olfativas.

Daquelas que fazem verter lágrimas de emoção e saudades, e também de tristeza, que são devidamente enxotadas, que a vida é curta e merece ser vivida. Então, sentir a brisa suave no rosto e poder contemplar o infinito azul do mar ou a casa cercada de muito verde é motivo para comemorar. Muito, o tempo todo.

Pois são desses pequenos momentos que construo uma vida também simples, desprovida de glamour, mas significativa, cercada das pessoas que importam, frequentando os lugares que valem a pena, na companhia de quem soma e agrega valor.

Confesso que tenho muita saudade da vida antes do frenesi das mídias sociais, especialmente do whatts app. Do tempo em que a saudade dos amigos queridos era minimizada por uma simples ligação telefônica, em que a voz era capaz de alegrar, confortar e renovar forças e esperanças. Compartilhar alegrias ouvindo a empostação de voz e percebendo a vibração em cada palavra.

Hoje temos emoticons, comunicação muitas vezes monossilábica e ligações nunca atendidas. O que é uma pena. Sei. Estou na contramão da história, em plena era do conhecimento e da informação. É assim mesmo. Novos tempos. Não é hora de nostalgias nem de preciosismo. A amizade sobreviverá.

Sim, sobreviverá. Tenho grandes amigos que raramente vejo, mas ao primeiro sussurro de socorro eles aparecem. São desde sempre e para sempre. Mas que saudades da presença física, dos longos papos, das gargalhadas inocentes por coisas bobas e dos olhares de cumplicidade e abraços apertados. Bons tempos que provavelmente estejam com data de validade vencida.

Então, se sumi das redes sociais, é porque não tenho nada interessante para falar ou mostrar. A vida segue o seu curso, na velocidade necessária e com as prioridades que talvez sejam desprezadas pela maioria dos que buscam um lugar no olimpo das mídias sociais.

O lugar que me interessa é o de paz e tranquilidade. Cercada das pessoas que amo. Da forma discreta que escolhi, por hora ou pela vida toda. Com o senso de observação mais aguçado do que nunca, que desse não abro mão. O olhar atento faz parte de mim. Ler as entrelinhas é um hábito adquirido nos 33 anos de profissão.

Mas o amor está no ar. Então, "Se tu me amas, ama-me baixinho/ Não o grites de cima dos telhados/ Deixa em paz os passarinhos/ Deixa em paz a mim! Se me queres, enfim,/ tem de ser bem devagarinho, Amada, que a vida é breve, e o amor mais breve ainda." A sublime simplicidade de Quintana. E viva a vida!

 

Comentários

VEJA TAMBÉM...